Psiquiatra no SUS – Como conseguir tratamento de graça? Saiba como funciona o atendimento

Diante de tantos novos casos de doenças psiquiátricas registradas nos últimos anos, é claro que a procura por atendimentos e procedimentos a fim de reduzir os seus danos aumentaram. Mas, a boa notícia é que o Sistema Único de Saúde Brasileiro (SUS) oferece tratamento psiquiátrico gratuito e eficiente.

Isso mesmo! Ao contrário do que muitos dizem e acreditam, é possível sim manter a sanidade mental e viver tranquilamente com os serviços oferecidos pelo SUS. Quer saber mais? Continue a leitura abaixo:

Como conseguir tratamento psiquiátrico pelo SUS

E agora que você já sabe que a falta de dinheiro ou o orçamento apertado não são motivos para conviver com os prejuízos que uma doença psiquiátrica desencadeia, precisa descobrir como conseguir uma vaga nesse tratamento, concorda?

Pois, saiba então que não é nada difícil, pois tudo o que você precisa é procurar a unidade de saúde mais próxima (veja aqui) da sua residência, informar o seu desejo de participar desse programa, descrever qual a necessidade, apresentar o seu cartão de saúde do SUS.

Feito isso, tudo o que será necessário fazer é aguardar o contato dos profissionais responsáveis para que novas avaliações e acompanhamentos sejam agendados. Num primeiro momento será feita uma consulta com um clínico geral, o qual irá encaminhar para o psiquiatra ou psicólogo dependendo da necessidade de cada caso.

Psiquiatra pelo SUS

Quando consultar um psiquiatra?

  • Quando há problemas com vícios e drogas;
  • Quando há sintomas de transtornos mentais sérios como distúrbios do sono, ansiedade generalizada ou depressão;
  • Tentativas suicidas e depressão severa;
  • Sintomas de transtornos mentais de qualquer tipo.

Por muito tempo houve um estigma de que os psiquiatras tratam somente loucos ou quem tinha transtornos mentais. Entretanto, essa especialidade médica vai muito além desta orientação, sendo também necessário para a receita de medicamentos para manutenção do bem-estar, alívio de problemas psíquicos, sem que haja o diagnóstico de um transtorno mental severo.

Aliás, as principais doenças do século cotadas pela Organização Mundial de Saúde – ansiedade e depressão – podem vir a ser tratadas com o psiquiatra quando se faz uso de medicamentos (como antidepressivos e ansiolíticos).

Como funciona o atendimento psiquiátrico do SUS?

Ainda durante a década de 80, as primeiras alternativas para orientar a atender pessoas com transtornos mentais surgiram.Nessa época, foi construído também o primeiro Centro de Atenção Psicossocial, o CAPS, no Brasil, que teve como palco a cidade de São Paulo e serviu de inspiração para outros projetos desse segmento.

Com o passar dos anos e novos levantamentos, o modelo de atendimento psiquiátrico preconizado pelo Ministério da Saúde foi aperfeiçoado e novos projetos foram desenvolvidos.

Hoje, os atendimentos e serviços oferecidos gratuitamente pelo SUS trabalham ativa e incansavelmente pela reinserção social dos usuários de todo o país, sempre pautados por um atendimento próximo aos familiares e com apoio de uma equipe multiprofissional capacitada e terapêutica. Para solicitação use o passo a passo abaixo:

Psiquiatria pelo SUS

Centro de Atenção Psicossocial – Como ser atendido?

E como cada paciente tem uma história e necessidade, o sistema de atendimento psiquiátrico disponibilizado pelo SUS nesses locais divide-se em:

  • CAPS I: criado para atender pessoas de todas as faixas etárias que apresentem transtornos mentais graves e persistentes, essa unidade está em cidades que contam com uma população inferior a 15 mil habitantes e recebe também pacientes com relatos de utilização de substâncias psicoativas;
  • CAPS II: criado para atender pessoas de todas as faixas etárias que apresentem transtornos mentais graves e persistentes, essa unidade está em cidades que contam com uma população inferior a 70 mil habitantes e recebe também pacientes com relatos de utilização de substâncias psicoativas
  • CAPS i: desenvolvido para atender crianças e adolescentes com transtornos mentais graves e persistentes e/ ou que relatem o uso de substâncias psicoativas, essa modalidade atende cidades e/ou regiões com pelo menos 70 mil habitantes.
  • CAPS de Álcool e Drogas: Também responsável por atendimentos para todas as faixas etárias, esse modelo é especializado em transtornos pelo uso de álcool e outras drogas e atende cidades e/ou regiões com pelo menos 70 mil habitantes.
  • CAPS III: com um modelo de atuação diferente dos demais, essa unidade atende até 5 vagas de acolhimento noturno e observação, mas engloba também todas as faixas etárias que apresentem transtornos mentais graves e persistentes, inclusive pelo uso de substâncias psicoativas – entretanto, são destinadas para atender cidades e/ou regiões com, no mínimo, 150 mil habitantes.
  • CAPS ad III Álcool e Drogas: Com capacidade de atender de 8 a 12 vagas de acolhimento noturno e observação e em funcionamento 24h por dia, essa categoria recebe pessoas de todas as faixas etárias com transtornos pelo uso de álcool e outras drogas e atende cidades e/ou regiões com, no mínimo, 150 mil habitantes.

Anotou como é possível encontrar o tratamento psiquiátrico gratuito oferecido pelo SUS? Seja para você um familiar, um amigo, um conhecido ou até um desconhecido, essa opção é fundamental para garantir um estilo de vida saudável e manter a saúde mental em dia.

Cartão SUS 2020

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content